Painel Demografia

Com a redução das taxas de fecundidade e o consequente declínio do ritmo de crescimento da população brasileira nas últimas décadas, a migração tornou-se determinante no processo de redistribuição populacional no Brasil e deve,cada vez mais, ser considerada em todo o processo de formulação e planejamento público. Do total dos 19,5 milhões de habitantes em Minas Gerais em 2010, cerca de 1/3 declararam não serem naturais dos municípios de residência em 2010 e que, portanto, passaram por algum processo migratório ao longo de suas vidas. Esse processo foi intraestadual para 79% desses migrantes e, para 21%, interestadual ou internacional. Vivendo em municípios de outras unidades da Federação (UF), o estoque de emigrantes do estado representou um montante de 3,6 milhões de pessoas. Desse total, 22% foram resultado de um processo que aconteceu nos dez anos anteriores ao censo.

Projeções Populacionais

Segundo as projeções populacionais para Minas Gerais, realizadas pelo IBGE, a população do estado deve chegar a cerca de 21,3 milhões de pessoas em 2020, ultrapassar os 22,4 milhões de habitantes em 2040 e começar a decrescer, atingindo o patamar de 21,1 milhões de pessoas em 2060. Em consonância com a tendência de Minas Gerais, o arrefecimento do ritmo de crescimento populacional será generalizado em todos os territórios de desenvolvimento do estado, com crescimento positivo, em todos eles, até 2030, e decrescimento em cinco territórios a partir desta data. São eles: Médio e Baixo Jequitinhonha, Mucuri, Caparaó, Vale do Rio Doce e Sudoeste.

Envelhecimento populacional, mudanças na estrutura das famílias e o aumento na demanda por suporte para os entes idosos

O processo de transição da estrutura etária pelo qual o Brasil ainda está passando, foi desencadeado pelo declínio significativo da mortalidade entre os anos 40 e 60 e pela redução das taxas de fecundidade a partir do final da década de 60, que se generalizou rapidamente por todo o país. Isso levará a uma população com um perfil envelhecido e as mudanças demográficas mais notáveis ocorrerão nas faixas de idade extremas. É o que apontam projeções populacionais, indicando que a população muito idosa (80 anos ou mais), que em 2010 representava 21% da população idosa brasileira (65 anos ou mais) e 1,5% da total, em 2060, representará 33% da idosa e 8% da população total.

 Viver em Instituição de Longa Permanência: o olhar do idoso institucionalizado

O objetivo foi analisar a percepção do idoso institucionalizado sobre viver em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI), incluindo sua opinião em relação ao local e às dificuldades encontradas, ao modo de convivência diária com as pessoas da instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI), incluindo sua opinião em relação ao local e às dificuldades encontradas, ao modo de convivência diária com as pessoas da instituição (profissionais e residentes) e verificar, por meio de seus depoimentos, quais os motivos que o levaram a viver em uma ILPI. Foram utilizados dados da pesquisa realizada pela Fundação João Pinheiro, em 2011, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, MG.

 

 Perfil da saúde dos idosos de Minas Gerais

O objetivo desse artigo é analisar alguns aspectos relacionados às condições de saúde dos idosos mineiros. Para tal, serão apresentadas e discutidas informações sobre a prevalência de doenças crônicas, autopercepção do estado de saúde, utilização e acesso a serviços de saúde, hábitos preventivos e comportamentos de risco. A base de dados utilizada é a Pesquisa por Amostra de Domicílios de Minas Gerais (PADMG) de 2011, realizada pela Fundação João Pinheiro, que possibilita a realização de análises para Minas Gerais desagregadas por regiões de planejamento, mesorregião, setor censitário (rural e urbano), região metropolitana e município de Belo Horizonte.

 Estudo Longitudinal de Saúde dos Idosos Brasileiros

O ELSI-Brasil (Estudo Longitudinal de Saúde dos Idosos Brasileiros) é um estudo longitudinal, de base domiciliar, conduzida em amostra nacional representativa de adultos mais velhos. O estudo é coordenado pela Fundação Oswaldo Cruz – Minas Gerais (FIOCRUZ-MG) e pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O objetivo geral do ELSI-Brasil é examinar a dinâmica do envelhecimento da população brasileira e seus determinantes, assim como a demanda dessa população para os sistemas sociais e de saúde. O Estudo, portanto, produzirá informações estratégicas que contribuirão para avaliar o impacto desses sistemas e subsidiar políticas para a promoção do envelhecimento ativo e melhora da atenção à saúde nas faixas etárias mais velhas.

 

 

Destaques

 

Lançamento de livro: População e Cidades, subsídio para o planejamento e para as políticas sociais- 2018

 

Lançamento de Livro: icon Livro Migrações Fronteiriças 2018 (8.43 MB)

 

IBGE divulga:Projeções das Populações, brasil e Unidades de Federação - Volume 40-2018

 

 

Acervo

 

Boletim PAD-MG | 2011- Perfil da população idosa de Minas Gerais

 

Dissertação: enfim só: um olhar sobre o universo de pessoas idosas que moram sozinhas no município de Belo Horizonte(MG),2007 | icon Mirela Castro Santos Camargos (977.57 kB)

 

Boletim Estatísticas Públicas: Uma análise o perfil demográfico e dos arranjos domiciliares dos idosos nas regiões de planejamento de Minas Gerais - 2015

 

 

   

 

 

Informações Adicionais

Próxima aba